Princesas, Rainhas e Margaridas

 
 
Aquela criança era por demais diminuta para que pudesse alcançar a maçaneta trabalhada. Mesmo que grande para sua pouca idade, era necessário ficar nas pontas dos pés calçados em sapatos de verniz para que as pontas de seus dedos sem calos, bolhas ou cortes, roçassem o bronze frio. O portão da garagem se erguia, e enquanto um motor desligava, outros pneus ainda giravam sobre o piso, escondendo-se dentro da casa. Portas sendo abertas e fechadas, e risadas altas, mas falsas. Chaves tilintando na mãos de mais de uma pessoa, e trocas de responsabilidade. Os meninos gritavam alto, sem empurrando e se batendo, enquanto a única menina ainda tentava alcançar a única maneira que conhecia para abrir portas. Quando uma mão tocava o topo de sua cabeça quente, ela sabia que, finalmente, teria seu caminho desobstruído. A chave se encaixava da fechadura, e a peça metálica era girada, depois disto ela sabia o que fazer.
Empurrava com toda a sua força diminuta o enorme pedaço de madeira chamado porta, e se lançava pelo caminho de pedras róseas, ignorando seu destino, com olhos apenas para os arredores. Diferente dos adultos, ela não se importava se suas roupas eram caras ou não, ou se iria ficar suja e bagunçada. A menina de menos de um metro, vestida com o mais belo e branco traje que sua avó havia sido capaz de encontrar para criança tão jovem, jogava-se entre os arbustos de margaridas como se estivesse de maiô, diante de uma piscina. Acomodava-se na grama fofa e fazia dali seu castelo. Enquanto os garotos passavam correndo e gritando e batendo uns nos outros, ela estava segura entre as flores plantadas pelas mãos com reumatismo da mãe de seu pai.
Eram mãos pequenas na opinião de um adulto, mas gigantescas para seus colegas de idade, e, naquele momento, estavam ocupada segurando flores de maneira errada, puxando-as não pelos caules, mas pelos topos. Muitas margaridas eram assassinadas de uma maneira que provavelmente não mereciam. Mas depois de muitos sacrifícios, a criança entendia como devia prosseguir com suas intenções. Com flores inteiras e caules compridos, ela formava uma coroa desajeitada e quase demolida, mas que seria a mais bela de todas, pois seria a sua coroa em seu próprio reino. Em sua cabeça, era mais linda ainda. As pétalas brancas caiam nos fios com cachos longos, e ficava entrelaçadas ali. A franja estava amarela de pólen, assim como o vestido branco.
Se ergueu em seu reino, e correu pela grama até chegar nas pedras rosadas e ultrapassar os pássaros verdes e aprisionados, chegando até onde estava sua mãe e as demais. Sorria, orgulhosa de si mesma. Sua tia e sua avó gritaram, horrorizadas, com o estado do vestido, mas a mãe sorriu. Sorriu e riu, pegando-a nos braços e se sujando também. Quando via o sorriso da mãe, e sentia-se segura em seus braços, ignorando as expressões de censura da tia e da avó, a menina que ainda era nova demais para entender muitas coisas sabia que era uma princesa, pois sua mãe era uma rainha.




Depois de muitos anos que se passaram, e a menina, que agora era mulher, viu aquele jardim novamente não havia mais pétalas, nem caminho de pedras, nem passarinhos verdes. Havia uma porta trancada e outros carros na garagem, outras chaves e outros risos falsos. Não havia criança alguma tentando passar pela porta lateral, pois esta não existia mais, e as crianças estavam contidas pelos pulsos ao lado de suas mães, pais, tias, tios, avôs e avós. Quando a mulher, que um dia fora uma menina, viu aquilo, pegou nos braços a nova menina, que um dia seria a nova mulher, e foi até um lugar onde houvessem arbustos, flores e grama para que ela estragasse o vestido caro.
Ela não se lembrava da conclusão que havia chego na cozinha há muitos e muitos anos, e tampouco sabia a sua menina. E, sabia muito menos que, quando a garotinha surgiu da natureza verde,marrom de grama e colorida de pétalas, e foi recebida por braços abertos e sorrisos e risadas ela também decidira que era uma princesa, pois sua mãe era uma rainha.




Estou preparando uma grande surpresa, uma das boas, mas, infelizmente, a burocracia afoga as idéias, ou pelo menos às atrasa. Portanto, peço (ou imploro) por paciência. Dentro em pouco poderia lhes dizer qual a novidade. Enquanto isto, ofereço-lhes pequenos contos, espero que gostem.
A opinião de vocês é sempre importante, portanto, comentem!!
Saudações




-Meu nome não é Padero;

Comentários

Octávio Ribeiro disse…
Que filosofico, cara!! *-*
ficou bom d++


espero ansioso a tua grande surpresa :D
é nois, padero!
Pobre esponja disse…
Bom texto.
Leia sempre, estude sempre clássicos, pois a literatura é uma arte que exige muito estudo, muita meditação.

abç
Pobre Esponja
Eu a Mah disse…
Belas palavras..e uma história linda... adoro essas passagens sobre o mundo aos olhos de nós, crianças, qdo erámos!! Me fez conter lágrimas...

ADOREI!!!

Aguardando a surpresa.

http://meninabezerra.blogspot.com/

http://quaselugar.blogspot.com/
Achmounein disse…
Bom texto, mas confesso que achei meio sem nexo...Creio que escrever com a alma é isso...Pq mtas coisas que eu escrevo são totalmente sem nexo...hehehehehe...Parabéns pelo blog...Continue assim...
se quiser...Retribua a visita...
http://marajunia.blogspot.com/
César disse…
nossa q texto longo...vc adora escrever em fera...já eu odeio, por mais que tenha muita coisa pra escrever, eu procuro evitar ao maximo...a dica que te dou é que diminui o tamanho das postagens, pq ela se torna enjoativa...mais o conteudo é muito bom.
a literatura, pura nos traz muitas inspirações...
belo texto!
parabéns!
T.S. Frank disse…
Bom texto... Porém, infelizmente, nem todos tem a paciência de ler, perdendo assim muita coisa, geralmente o pessoal que visita blogs gosta de textos curtos. Quem sabe, se você diminuisse, ou fizesse textos curtos, do tipo, parte I, II e III... É só um ponto de vista.

T.S. Frank

www.cafeaquenteesherlock.blogspot.com
Felipe disse…
Otimo texto cara, o considero um texto relativo fazendo com que cada um tenha o seu modo, seu jeito de interpret-lo, e no meu ponto de vista, sobre a minha leitura eu acabei tirando um aproveitamento positivo...vc fez uma boa metáfora!! Parabens!!!
Felipe Souza disse…
Muito bonito!!!

Palmas, palmas, palmas, hehehe!!!

Parabens!!!

http://www.felipedesouza-psicologo.blogspot.com/
Anônimo disse…
nooooosa que lindo!
você seria um bom escritor se seguisse essa área.
Parabéns.
bjs: Júlia

Postagens mais visitadas